Agosto 2019

Tese do governo de que tributo é necessário para reduzir custo do empregador e gerar emprego é questionada

Publicado em Na Mídia

O deputado estadual Carlos Avalone (PSDB), um dos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a renúncia e sonegação fiscal em Mato Grosso, disse que a comissão já colheu relatos de empresários que dão conta de uma sonegação de ICMS no valor de R$ 450 milhões ao ano, apenas no setor de combustíveis.

Publicado em Na Mídia

Equipe econômica do governo instala grupo para discutir mais mudanças na CLT. Um dos pontos será a revisão do modelo sindical

Publicado em Na Mídia

Em seguida, o texto fica pronto para avaliação em plenário, última etapa antes de ser promulgado e virar uma emenda à Constituição

Publicado em Na Mídia

Por Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy

Os Bruzundangas é certamente o mais satírico e visionário livro de Lima Barreto (1881-1922).

Publicado em Na Mídia

24 mil pedidos em 7 meses. Supera total de pedidos de 2018. E de todos os anos desde 2009. Dados são de O Estado de S. Paulo

De olho no trâmite do projeto da reforma da Previdência no Congresso Nacional, 24 mil servidores do Poder Executivo requisitaram aposentadoria nos 7 primeiros meses de governo. O levantamento é do jornal O Estado de S. Paulo, com base em dados do Ministério da economia.

Publicado em Na Mídia

Vice-presidente se mostrou favorável ao imposto com valor agregado, mas reconheceu dificuldade em aprovar legislação agradável a todos estados

Publicado em Na Mídia

Diz que é imposto ‘carimbado’. Falou com jornalistas em almoço

O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (31.ago.2019) ser contra a inclusão de 1 imposto sobre movimentações financeiras, nos moldes da antiga CPMF, na reforma tributária a ser enviada pelo governo ao Congresso.

Segundo ele, esse imposto é “carimbado” e não tem apoio do Legislativo. A ideia tem sido defendida pelo ministro Paulo Guedes (Economia) e pelo secretário da Receita Federal, Marcos Cintra.

No início da tarde, o presidente convidou 6 jornalistas que o esperavam na entrada no Quartel General do Exército, em Brasília, para o almoço. Falou com o grupo durante 1h30 em churrasco com membros do gabinete. O Poder360estava presente. A conversa não pôde ser gravada. Leia mais sobre o almoço abaixo.

O presidente afirmou ainda que o projeto incluirá apenas impostos federais, e não os estaduais e municipais. Cintra fala sobre a criação de 1 IVA (Imposto de Valor Agregado) federal com a adesão voluntária de Estados e municípios.

Item prioritário da agenda econômica após a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da Previdência, a reforma tributária ainda será enviada pelo governo ao Congresso.

Hoje, 2 textos já tramitam no Legislativo: 1 no Senado, que tem como base a proposta do ex-deputado federal Luiz Carlos Hauly, e 1 na Câmara, baseado nos estudos do economista Bernard Appy.

REFORMA TRABALHISTA
Bolsonaro afirmou que se o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, quiser enviar outra reforma trabalhista ao Congresso, ele tem o seu apoio.

Segundo ele, se mudanças na legislação trabalhista não tivessem sido aprovadas no governo do presidente Michel Temer, em 2017, a economia estaria ainda pior agora.

Ele voltou a dizer as pessoas preferem ter “mais empregos e menos direitos” do que mais direitos e menos empregos. A ideia é repetida com frequência pelo ministro Paulo Guedes.

“Quem nunca contratou alguém por fora? Graças a Deus nunca tive nenhum problema”, disse.

O ALMOÇO
Neste sábado, Bolsonaro convidou 6 jornalistas que o esperavam na entrada no Quartel General do Exército, em Brasília, para almoçar. Em tom descontraído, falou com o grupo por cerca de 1h30 durante 1 churrasco com membros do gabinete e familiares. A conversa não pôde ser gravada.

O presidente respondeu a todas as perguntas feitas pelos jornalistas. Contou que se sente em 1 “cemitério” no Palácio da Alvorada e que prefere “fazer qualquer coisa do que ficar lá”. “Até conversar com vocês, jornalistas”, brincou.

Bolsonaro vestia uma blusa com a logomarca da festa de peão de Barretos e 1 colete à prova de balas.

Parou a conversa em algumas ocasiões para cumprimentar os presentes. Não bebeu. Segundo ele, sua “cota” é de uma latinha de cerveja por mês. “Nunca fui de beber. Mas é o preço que se paga por ter uma esposa boa como a Michelle.”

O presidente chorou ao lembrar das cirurgias pelas quais passou após ter levado uma facada na barriga, em setembro. Disse não acreditar ter sido eleito devido ao episódio. Afirmou também que sente falta de fazer exercícios. “Não dá tempo.”

Eis os temas comentados por Bolsonaro durante o almoço com jornalistas:

*Eleições 2020 – o presidente afirma que, no momento, não apoia ninguém para as eleições municipais. “E se alguém usar o meu nome, é mentira”;
*João Doria – Foi duramente criticado no almoço. Está “morto” como candidato para 2022, segundo Bolsonaro;
*Reforma tributária – não quer CPMF no projeto do governo. Para o presidente, o projeto deve incluir apenas impostos federais;
*Moro no STF – Bolsonaro diz não ter prometido uma indicação ao Supremo ao ministro da Justiça –só queria alguém com o “perfil”. Voltou a citar o advogado-geral da União, André Luiz Mendonça, como 1 possível nome “terrivelmente evangélico”;
*Ancine – o presidente diz que quer no comando da agência alguém que“tem a Bíblia debaixo do braço”, “joelho marcado de milho” e saiba recitar 200 versículos. “Claro que estou exagerando, mas é a ideia.” 
*Indulto a policiais – Bolsonaro diz que vai conceder perdão oficial aos policiais que participaram dos massacres de Carandiru e Eldorado de Carajás, além dos envolvidos no sequestro do ônibus 174, no Rio de Janeiro;
*Eduardo na embaixada – O presidente indicou que pode postergar a indicação de seu filho para embaixada dos EUA. Ele disse que não quer “ir para os EUA com uma derrota”. Bolsonaro embarcará para Nova York no final de setembro;
*Abuso de autoridade – o presidente disse que pode vetar 9 de 10 pontos sugeridos por Moro no projeto de abuso de autoridade;
*cana-de-açúcar – Bolsonaro disse que aumentará as áreas para plantio de cana-de-açúcar no país.

Fonte: Poder360

Publicado em Na Mídia